Portuguese Essay

Portuguese Essay

Length: 5214 words (14.9 double-spaced pages)

Rating: Excellent

Open Document

Essay Preview

More ↓


A nossa associação, ou seja, a Associação de Professores para a
Educação Intercultural fez agora, em Setembro de 2003, dez anos.
Surgiu ligada a um projecto que existiu no tempo em que o Engenheiro
Roberto Carneiro era Ministro da Educação, que foi sem dúvida, para
mim, mas também sou duvidosa ao afirmar isto porque ele foi meu
professor e eu gosto imenso dele e surgiu praticamente porque ele
começou a preocupar-se com estas situações dos filhos dos imigrantes
que vinham das ex-colónias e, então, criou uma Instituição que se
chamava Secretariado Coordenador de Programas para a Educação
Intercultural, chamado o Entreculturas. O Entreculturas, depois de um
diagnóstico feito por alguns elementos no terreno, verificou-se que
era necessário dar formação nesta área da multiculturalidade e
fundou-se, nessa altura a Associação que tinha sede numa salinha do
Secretariado de Entreculturas. Porquê a Associação? Porque era
necessário para este tipo de actividades, era necessário para dar
formação e para que as pessoas tenham crédito, é necessário,
realmente, que a Instituição esteja acreditada por um centro de
conselho cientifico-pedagógico da formação contínua e a Associação nos
seus estatutos que, para além do seu estatuto normal que ela tem, a
Associação tinha, também, dentro do estatuto, um centro de formação. A
sala onde vocês estão é a sala do centro de formação, a sala dali é,
digamos, aquela que lida melhor à da direcção, a da presidente e aqui
é, sem dúvida, o sítio onde nós fazemos a formação acreditada e outro
tipo de formação, onde organizamos dossiers, prodeps.

2. Quais as vertentes em que a formação se baseia?

Em várias vertentes, desde que tenha haver com a multiculturalidade.
Portanto, as acções estão todas elas viradas para a multiculturalidade
e somos, sem dúvida, o único centro de formação que tem esta
especificidade, neste momento.

3. Qual é o público-alvo destas formações?

As formações são para professores, começaram por ser, segundo a
legislação, e para formação contínua de professores. A legislação foi
alterada ultimamente que também dá para membros, e já temos tido, de

How to Cite this Page

MLA Citation:
"Portuguese Essay." 123HelpMe.com. 20 Apr 2019
    <https://www.123helpme.com/view.asp?id=150033>.

Need Writing Help?

Get feedback on grammar, clarity, concision and logic instantly.

Check your paper »

Portuguese Exploration and The Widespread of Portuguese Cuisine Essay

- Portuguese exploration as early as the 1400’s plays the biggest role in the widespread of Portuguese cuisine around the world today. Although the purpose of Portuguese exploration had absolutely no goal of obtaining a universal food market in a multitude of different countries and continents it did lead to such a circumstance. It’s a conception that most people think is irrational and continues to stay under the radar, yet there is enough evidence to support every argument about it. Portuguese sailors and explorers left endless amounts of culinary souvenirs everywhere they traveled sparking a cultural cuisine that has continued on for centuries....   [tags: discovery, portugal, azorean culture]

Research Papers
869 words (2.5 pages)

Portuguese Immigration to Canada Essay

- The Portuguese immigrated to Canada around the 19th century. It all started in the year 1953, when a group of Portuguese pioneers immigrated to Canada (Moura, 2003). Once the first couple of Portuguese pioneers crossed the ocean to immigrate into Canada, others followed and sort of started a wave. However, in 1957 a volcano erupted, known as the Capelinhos, which end up making Portuguese families and pioneers move to North America (Morrison & James, 2009), because the living conditions had changed....   [tags: Immigration]

Research Papers
1203 words (3.4 pages)

Essay on Portuguese Culture

- Portugal, a beautiful country that has Latin roots like most language is one of the major languages of the world the sixth most spoken worldwide in fact (The Portuguese Language). As a child born in the Azores, and then immigrating here, I have been able to keep my culture alive despite the difference of culture here. Mostly because of my parents traditional ways being etched deeply into me to not forget where I came from. Throughout my life I seemed to be affected by the culture from outside the household but my Portuguese culture seemed to stick with me regardless....   [tags: Diversity Essays]

Research Papers
1512 words (4.3 pages)

Portuguese Spy Essay

- I am now exactly 6 months into my mission to infiltrate the most notable of kingdoms to the east of our fair nation. I started my expedition posing as a wealthy trader, to help reinforce my disguise I brought with me a small caravan. I have my wife Adriana, 4 camels laden with wares and 2 slaves. I started my quest with the goal of identifying the best of the major empires to ally and establish trade routes with. The first leg of my journey brought me to Constantinople, a great city on the Eastern edge of the Mediterranean....   [tags: Creative Writing Essays]

Research Papers
771 words (2.2 pages)

Essay on Macau: A Mixture of Portuguese and Chinese Culture

- Macau, A city with a mixture of Portuguese and Chinese culture also known as the first and last European colony in Asia. It is located on the south-east coast of China. Macau is a largest unique destination with a stunning nature in the world. It is a place to find the traditional Chinese culture while enjoying the exotic overwhelming Portuguese buildings. Macau, the name itself describes it as a city of temples which was the shrine dedicated to Mazu, a sacred goddess. Mostly visitors conclude that it is a location that suits tourists as it is a beautiful city....   [tags: tourists, Chinese, gambling]

Research Papers
772 words (2.2 pages)

The Selfish Nature of the Spanish and Portuguese Exploration Essay

- Throughout the sixteenth, seventeenth, and eighteenth centuries, Spanish and Portuguese exploration can easily be described as vast. With continuing curiosity, a sense of adventure, and a desire to save souls, expeditions lead to the New World in the Americas and eastward to Asia. However, it can be argued that no one of importance tried to stop the atrocities that were coinciding with the exploration of foreign territories. This is because the Spanish and Portuguese claimed that they were advancing humanity, but in reality, they were doing everything out of selfishness....   [tags: land, conversion, incan]

Research Papers
1078 words (3.1 pages)

Sonnets From The Portuguese Poem Analysis Essay examples

- Aaron Meadows Mrs. Gibson English January 28, 2015 Sonnets From The Portuguese In "Sonnets From The Portuguese", Elizabeth Barrett browning uses all kinds of literary devices including imagery and poetic elements such as metaphorical phrases, it even goes outside the boundaries of a normal sonnet, still using these devices to translate her passionate feelings. While Elizabeth Barrett Browning 's "Sonnet 43" from Sonnets from the Portuguese is an Italian sonnet like the others in this collection that makes up the book, it does not follow the "traditional" pattern of stating a question in the first 8 lines and answering it in the last 6 lines....   [tags: Poetry, Elizabeth Barrett Browning]

Research Papers
1205 words (3.4 pages)

Essay about The Growth Of Portuguese Music

- Portugal has a rich musical culture, with roots that go back to Provencal troubadours, followed by ballads and the fado, and as of late, incorporating the rhythms of Portugal's former West African colonies. Each of these elements are stll alive in current Portuguese music like the French Provencal influence in the folk music played at festivals in the northern part of the country, as well as the rock and jazz most prevalent in the larger cities. An addtional element is added by a wealth of singer-songwriters, most of whom spawned from the extremely political 'New Song' movement....   [tags: essays research papers]

Research Papers
1823 words (5.2 pages)

Competitiveness In Portuguese Regions Essay

- Introduction: The aim of this report is to investigate the competitiveness of the ‘poorest’ region, defined as the lowest level of Gross Value Added (GVA) per Capita in 2008, in Portugal. Using data from 1980 to 2008, this report will compare the tendencies of convergence and divergence amongst the regions in Part I. An analysis of the extent to which prosperity was affected by productivity and employment levels in the poorest region will follow in Part II. Lastly, in Part III, 2 scenarios are developed for the poorest region looking 2 decades into the future....   [tags: Poverty]

Free Essays
1754 words (5 pages)

Essay about How to Survive Portuguese Taxi Ride

- How to Survive Portuguese Taxi Ride Less than twenty-four hours after arriving in Portugal, I was introduced to my first taxi ride. I was traveling with a native Portuguese girl, Sandra Batista. Sandra called a taxi to take us to our home. I hadn't, yet, experienced a taxi ride in Portugal. I had heard how dreadful these rides can be, especially the first time. "Consider yourself forewarned," a friend had cautioned a few minutes before I boarded the plane. He was, of course, referring to the taxi drivers in Portugal....   [tags: Free Expository Process Essays]

Free Essays
945 words (2.7 pages)

Related Searches

Associações de Pais que estão nas Assembleias de Escola, ou seja, que
fazem parte dos órgãos de gestão e fazemos formação acreditada mas não
financiada pelo foco, pelo PRODEP, através de protocolos com as
Câmaras, com as principais Câmaras. Fazemos a mesma acção acreditada,
mas sem financiamento onde participam os elementos que acharem
importantes, já tenho tido formação através da Câmara onde tivemos
elementos da divisão da educação, elementos de Centros Comunitários.
Portanto, essa formação tem haver com o protocolo feito com as
Câmaras.

4. Qual é o tipo de adesão dos órgãos administrativos das escolas a
estas formações?

Eles aderem perfeitamente. Para já, a nossa relação… quando nós
fazemos esta formação, o contacto primeiro é sempre com o conselho
executivo, portanto, é com a gestão. Como já conhecemos elementos de
muitas escolas, já fazemos isto facilmente. Portanto, como vos estava
a dizer, a Associação autonomizou-se depois, criou sede própria, tendo
em conta que tinha uma formação do secretariado tinha terminado e,
então, era necessário dar continuidade.

5. Esta Associação recebe algum tipo de apoios? De que entidades?

Tem o apoio governamental, mas já teve muito mais, porque neste
momento o apoio governamental é o meu destacamento aqui. Ou seja, o
ministério paga-me um ordenado para eu estar aqui, este e o meu quarto
ano de destacamento total aqui e já cá esteve o nosso colega que é
tesoureiro, a presidente também já esteve destacada, ou seja, o
Ministério paga. As acções de formação são financiadas pelo PRODEP,
todas as acções que vão para acreditação são financiadas, que vão para
financiamento, praticamente. Este ano, apesar das coisas estarem
piores, houve uma que saiu, mas também por opção que nós tomamos. Era
uma acção que já estava à muito tempo no terreno e, então, achámos que
era melhor reformulá-la.

6. Qual o papel desempenhado pela Associação?

A associação faz a formação acreditada que tem haver com as temáticas
que começou com acções de formação, depois de se autonomizarem e de
estar mais aberta a trabalhar com as escolas e a dar continuidade à
questão da multiculturalidade. As primeiras acções estão ligadas,
praticamente, à questão do português como língua segunda, as questões
dos crioulos, não se falava nesta altura das questões do leste, era
uma questão que não estava na ordem do dia, a questão da integração
dos ciganos, a questão da pedagogia diferenciada na sala de aula, como
trabalhar a avaliação diferenciada. Estas foram as primeiras e que,
algumas delas, demos continuidade, porque temos uma comissão
pedagógica, que é composta por elementos de todos os Ciclos, por
professores do Pré-Escolar, do Primeiro Ciclo, do Segundo Ciclo,
Terceiro Ciclo, Secundário, Ensino Superior, elementos de autarquias,
mediadores. Ou seja, é composto por várias pessoas preocupadas com
estas questões que reúne e nos traz, digamos… dá-nos o feed-back da
situação do terreno e eu também o tenho, porque estando destacada aqui
vou a várias escolas.

6. Qual o tipo de formação que é pedido pelo publico que vos
procura?

Vai mudando de ano para ano. Quando foi a reorganização curricular, o
lançamento da reorganização curricular, fizemos acções de formação
ligadas à questão da Formação Cívica e Educação para a Cidadania e
Multicultural, o trabalho do director de turma para gerir a
diversidade, as necessidades educativas especiais que não são somente
para meninos com deficiência, mas também para este tipo de miúdos que
têm dificuldades de aprendizagem, questões de conflito na sala de
aula, questões de indisciplina. Temos acções de formação no Norte, que
apanha Porto e Chaves, Chaves por causa da situação dos ciganos que há
imensos; temos no Algarve, em Quarteira que apanha a zona de Olhão e
Portimão, portanto, é uma zona central; e temos, depois, dentro de
Lisboa sempre uma acção, os professores já são quase todos de décimo
escalão e já estão quase todos numa situação de pré-reforma,
fazemos na periferia, nas chamadas escolas de risco, da Cunha, tudo
que tem haver com Amadora, com Olivais, portanto, fazemos nessas
escolas. Tanto fazemos em escolas de Primeiro Ciclo, como fazemos em
escolas de Segundo Ciclo, Terceiro Ciclo e secundário.

7. As acções de formação feitas pela Associação englobam o
Pré-Escolar?

Eu por exemplo, a acção de formação que eu tive, que eu fiz,
Aprendizagem Cooperativa como Estratégia, que é o seguimento de uma
acção de formação que faz uma formadora nossa e membro da direcção da
Associação que adere estratégias pedagógicas em contextos de
aprendizagem, a minha é aprendizagem cooperativa e contexto
intercultural essa acção por exemplo foi feita numa escola de 1º Ciclo
e a dela numa sala de Pré-Escolar. Portanto, o Monte da Caparica por
exemplo, trabalhamos muito com o Monte da Caparica no Jardim de
Infância porque tem agrupamento vertical.

8. Quais são as principais dúvidas ou questões trazidas pelas
pessoas que frequentam as formações?

São situações diferentes. As coisas têm estado a mudar, porque a
sociedade muda e isto tudo tem de mudar e a Associação tem de ir ao
sabor daquilo que as escolas querem e que a sociedade exige. As
principais… quando eu vim para cá porque eu sou sócia da Associação
desde essa altura, praticamente desde a fundação dela, e era formadora
já nessa altura, porque acompanhei também, na zona de Setúbal, o
Projecto de Educação Intercultural, as dúvidas nessa altura tinham
haver mais com como gerir a diversidade, como trabalhar com miúdos que
não têm o português como língua segunda. Este era o grande problema e
foi sempre um grande problema ai durante três, quatro anos. A
situação, ultimamente, começa a entrar pela questão do conflito e da
indisciplina, já não é só o português como língua segunda, porque
aquela geração que já está quase na quarta geração já fala português e
até já escreve. Naquela altura havia, realmente, aqueles que não
falavam, agora já falam, falam mal mas os professores já se habituaram
a algumas estratégias. Nós temos formadores, uma delas é professora na
ESE, a professora Lúcia Soares, a professora Dulce pereira da
Faculdade de Letras na questão dos crioulos, a Elisa Costa na questão
dos ciganos. Portanto, essa já não é preocupação, quer dizer, é
preocupação mas não é central, a central é a integração deles e é a
gestão dos conflitos dentro da sala de aula. O que eles pedem muito, e
é para ai que está virada a candidatura este ano, é para a
interdisciplinaridade, como trabalhar conteúdos numa sala de aula
usando estratégias diversificadas. Isto é aquilo que é pedido neste
momento, porque a maioria das escolas com que trabalhamos… as pessoas
vão a essas escolas fazer as acções, mas vêm de outras escolas, porque
nós não temos sala para fazer as acções fazemos nas escolas e vêm de
outras escola também e que nunca ouviu falar, agora já não posso dizer
isto porque acho que toda a gente já ouviu falar em educação
multicultural, mas para muitas escolas isto é novidade e, então, pedem
tudo ao mesmo tempo: pedem estratégias para lidar com ciganos, porque
neste momento há ciganos, alunos de etnia cigana que estão a entrar
para o secundário e que não são capazes de estar quietos. Já não é só
Primeiro Ciclo, porque estas situações eram até ao nono ano,
principalmente centrados ali no Primeiro Ciclo e Segundo ciclo, já é
pelo secundário a dentro. Aquilo que eles colocam é sem dúvida… querem
um pouco de receita, como é que eu hei-de de tratar de um assunto…nas
formações é: aconteceu-me isto, o que é que acha que eu devo fazer.
Claro que é um bocado desmistificar aquelas situações das relações
interpessoais, porque também temos acções nessas áreas, em que temos
vários professores da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação
que nos fazem essa desmistificação. Agora isto para professores que
começam pela primeira vez a mexer nisto é muito estranho, as coisas
são muito estranhas. Eu fui dar uma acção ao Porto em que tinha seis
pessoas que pedi ao PREDOP para fazer estágio no 2º ciclo, estavam na
ESE, e pedi autorização para elas participarem porque queriam… porque
a orientadora delas, que é nossa associada e trabalha connosco, achava
que elas não percebiam que só ouviam a versão dela e queria que elas
ouvissem a outra versão. E eu dizia, a paginas tantas, mas vocês
preparem-se porque quando acabarem o curso vão arranjar lugar, isto
está tão mal, que o sítio onde vão arranjar lugar é neste tipo de
escolas, porque é aqui que há vagas. Elas ficaram um bocado
assustadas, mas eu disse que não há que assustar, há que procurar,
encontrar caminhos, muitas vezes são sensibilidades. As pessoas ficam
muito admiradas quando me perguntam de onde é que eu venho. Eu venho
do Secundário, sou professora de Filosofia do 10º, 11º e 12º no
Secundário e as pessoas ficam muito admiradas porque depois
perguntam-me como é que eu me interessei por estas coisas, em 1994, já
lá vão dez anos, porque é que eu fiz pós-graduação na área, fiz
mestrado na área, doutoramento na área, qual é a razão se eu até estou
numa escola onde, como diziam as minhas colegas, “nem há muitos
pretos”. Pois é… mas agora tem lá um cigano, de etnia cigana e é um
excelente aluno, está no 11º ano, mas é um excelente aluno, só que não
para quieto, não deixa ninguém falar, sabe sempre tudo, lê tudo, vai
para a biblioteca, devora tudo. Mas as pessoas não se habituaram a
isso e é engraçado porque há pequenas situações que os professores não
conhecessem e, eu penso, que não é só a formação, mas é também
autoformação e é o diálogo que os professores têm que manter uns com
os outros, partilhando as suas próprias experiências, porque nós para
além de termos o centro de formação, temos os tais protocolos com as
Câmaras, onde vamos falar sobre a questão da multiculturalidade, e
temos apoio a projectos nas escolas. Neste momento, o apoio aos
projectos nas escolas, já não são as escolas, a Maia, a escola da
Amadora, a escola dos olivais, nem Monte da Caparica, nem por ai fora,
porque já têm tanta formação que já têm o à vontade de ligar ou Ana
aconteceu-me isto, o que é que acham que se pode fazer. Já não são
essas, são aquelas… são as escolas que nunca tiveram esta realidade,
porque neste momento procuram-nos na Associação algum apoio do género:
tens que fazer aqui uma conferência durante três dias sobre, tens que
falar com os colegas sobre estas situações. Por exemplo, a última foi
na Ericeira, que ninguém imagina, uma zona considerada in, durante o
Verão, e durante o Inverno só ao fim-de-semana é que aparece assim
algumas pessoas, mas ninguém imagina a concentração de comunidade
cigana que existe dentro daquela região, à saída, e a concentração de
brasileiros que já têm os miúdos no 1º Ciclo e no 2º Ciclo e a
concentração de fulanos do Leste que estão a aparecer e procuram o
mar. Não me ligaram a mim, ligaram à presidente para eu ir à Ericeira
e eu disse vou lá fazer o quê, por acaso tenho casa na Ericeira e já
tinha reparado na realidade, mas nunca achei que existisse conflitos,
mas há. Então, este tipo de escolas, por exemplo, a Escola Secundária
Miguel Torga, uma escola secundária que pede apoio. Portanto, põe o
projecto tal, o projecto tal e o projecto tal. Portanto, estão agora a
pedir apoio aqueles que, há uns anos, nós na Associação costumávamos
dizer isto vai alastrar e o problema é que alastrou, alastrou e eles
estão cá e é a nosso dever e nossa obrigação como educadores trabalhar
com eles. Eles estão cada vez a entrar mais, porque neste momento as
nossas famílias no máximo que tem são dois filhos e eles têm muitos,
não estou a falar só de origem africana, cigana, do Leste, mas estou a
falar também daqueles que vêm de comunidades fortemente muçulmanas,
portanto, há que tratar de uma realidade. Agora se vocês me
perguntarem, por exemplo, quando eu fiz o mestrado a minha
especialidade era etnia cigana e africana, claro que eu própria tive
que fazer uma reciclagem, uma autoformação, também precisei de andar à
procura de informação, de ler umas coisas, quando comecei a ver que
começa a aparecer imigrantes do Leste, imigrantes que vêm com a
história da guerra do Afeganistão, da guerra do Iraque, com esta
situação de mobilidade de muçulmanos, turcos, marroquinos que
aparecem. Eu própria tive que procurar fazer a minha autoformação para
poder perceber realidades que os colegas próprios me perguntavam e eu
dizia, quer dizer, se fosse eu faria assim. Por exemplo, agora nas
últimas vezes tenho ido a algumas… nós pertencemos a um grupo, depois
pertencemos a grupos de organizações não governamentais, a última vez
que fui foi sobre a Constituição Europeia e Multiculturalidade, e não
foi propriamente fácil porque há uns que defendem que as fronteiras
deviam ser fechadas, outros defendem que tem de haver mobilidade na
Europa porque a Europa está a envelhecer e são eles que vêm dar algum
sangue novo à Europa. Portanto, são estas questões que nós nos
dedicamos e depois passamos de certa fora aos professores nas escolas.

9. Que tipo de apoio dão às escolas?

Apoios fazemos, mas não é só conferências, não é só debates. Damos
apoios a projectos de sala de aula, projectos curriculares de turma,
trabalhar com elementos. Nós temos na comissão pedagógica uma
representante do Pré-Escolar, não só representante do Pré-Escolar,
como uma representante do Ensino Superior que dá aulas ao Pré-Escolar
e que tem feito um trabalho normalmente é ela, porque é formadora, tem
uma acção que é a Mediação Cultural na Escola, que é feita
praticamente para educadores de infância o trabalho da mediação, de
buscar, por exemplo, arranjar maneira dos meninos de etnia cigana irem
ao infantário, trazendo e fazendo força e, na Associação com o
Ministério de cursos de mediação para ciganos. Portanto, damos alguma
força, exigimos algumas coisas e é no Pré-Escolar que elas começam
quando, por exemplo a mediação cultural, começa no Pré-Escolar, nestas
escolas e Jardins de Infância que eu conheço começa ai. Trabalham
directamente com monitoras, fazem o curso e trabalham com as monitoras
e com as educadoras dentro da sala de trabalho.

10. Relativamente às estratégias, como é que elas funcionam? Vocês
dão uma certa margem de manobra para os formandos criarem as suas
próprias estratégias ou dão uma “receita” de como actuar na sala
de aula?

Depende um bocado porque nós temos um princípio na formação que não é
debitar conteúdos, não é uma continuidade do Ensino Superior. Não é
por ai que nós vamos. Vamos pelo caminho que o próprio formando quer,
ou seja, se ele chega lá e tem mediação cultural na escola, como é que
eu devo trabalhar com uma mediadora de etnia cigana dentro da minha
sala de trabalho no Pré-Escolar, há algum tipo de estratégia que eu
posso colocar e que possa fazer. Nós, normalmente, temos estes
dossiers todos que têm material colhido por cada formador, que
recolhem aquele material e muitas vezes lança duas ou três hipóteses
que às vezes surge da experiência que cada um de nós tem e que elas
depois trabalham e, normalmente, o trabalho final, têm que fazer um
trabalho para acreditação, tem haver com a experiência que eles
viveram durante aquele tempo que tiveram a fazer formação. Se pedem
experiências nós damos, portanto, não temos problemas nenhuns, podemos
contar experiência da escola tal, às vezes até levamos colegas da
escola, do agrupamento, para contar a sua experiência, outras vezes
elas próprias querem contar a sua experiência e ver se resulta ou não,
se achamos se pode ir mais além.

11. Em relação ao currículo qual é a vossa posição?

O 6 – 2001 tem um artigo que diz lá que os professores devem
proporcionar, que a escola deve proporcionar aos alunos o português
como língua materna. Fomos nós que exigimos esse artigo, ou seja,
participámos em algumas situações e esse é nosso. Quando foi a
reorganização curricular, quando surgiu a reorganização curricular e a
gestão flexível, nós tomámos posição em muitas situações. Não somos
daqueles que acham que devemos alterar o programa, porque há programas
muito bem feitos, os programas estão bem feitos, não precisam de
alteração, precisam é de ser geridos e flexibilizados que é uma coisa
completamente diferente. Nós achamos que para já somos contra os
currículos alternativos, porque os currículos alternativos discriminam
claramente, é pôr tudo o que e mau de um lado, tudo que é mau por
muito mau que seja, depois para trabalhar para se tornar de bom, quer
dizer, não temos nada de bom para poder trabalhar o que é mau que isso
é o nosso princípio do currículo alternativo. Somos a favor dos alunos
fracos, médios, muito bons estarem todos juntos e que partilhem eles
também, porque um aluno que e considerado muito mau tem sempre
qualquer coisa de bom, é o que eu digo, há sempre uma competência boa
que é preciso desenvolver e se nós conseguirmos e se o professor
detectar que realmente pode trabalhar com ele àquele nível. Por
exemplo, eu tenho um caso de um cigano que não ia à escola, já estava
com catorze anos no quarto ano e a única estratégia que nós arranjamos
foi fazer na sala um mini laboratório de Biologia com animais e ele
ser responsável pelos animais, tinha coelhos, tinha gatos, tinha
pássaros, tinha peixes, quer dizer ele próprio é que trazia os animais
até que uma vez trouxe também um lagarto, isso é que foi um bocado
pior termos de arranjar um aquário para o lagarto e aquelas coisas
todas. Portanto, essas estratégias tinham sempre alguma coisa de bom,
ele que chegava à escola ao 12:00, às 7:00 da manhã tinha aquela hora
de se levantar da cama para ir dar de comer à bicharada, ele era o
primeiro a chegar, era ele e o porteiro a chegar para dar de comer à
bicharada. Portanto, tudo o que pode ser muito mau, era um aluno que
quando entrava na escola, porque não gostava da escola, o primeiro que
lhe aparecesse pequenino pela frente dava-lhe um pontapé, porque tinha
de descarregar a chatice de se ter de levantar para vir para a escola.
Há que realmente ter de encontrar estratégias, por isso nós somos
contra os currículos alternativos porque são discriminatórios e
achamos que os programas são de tal ordem abrangentes, se os
professores trabalharem por programas, isto é que não é, porque é uma
visão específica de quem o fez, o programa é bom, é abrangente, há é
muito extenso, o programa não é extenso, nós é que não sabemos
flexibilizar, não sabemos ver o que é que é importante para o aluno
naquela altura e foi por isso que a reorganização curricular trouxe
essa novidade e trouxe, por exemplo, a formação cívica que é uma coisa
que pode muito bem ser trabalhada na área da educação intercultural.
Nós podemos trabalhar e a formação cívica está claramente ali e a
educação para a cidadania que trespassa o currículo na área
transversal, que é uma área muito transversal e pode muito bem ser
trabalhada na área de projecto, na própria sala de aula. Eu tenho
inclusive na minha tese de doutoramento uma observação de aulas à
volta de cinquenta aulas observadas em várias áreas no 5º ano, em que
os professores foram encontrar materiais e conseguiram, por exemplo,
de história a presença dos muçulmanos na Península Ibérica e eles
fizeram o chamado o bilhete de identidade dos países muçulmanos. Ou
seja, eles criaram um bilhete de identidade, onde é que fica, o que
produz, portanto, o professor conseguiu dar a volta à situação,
conseguiu transformar aquilo que é um conteúdo que pode normalmente
ser debitado e acabou, não… pode ser um conteúdo trabalhado pelos
alunos e aí vai-se buscar o que ele tem de multiculturalidade. Por
exemplo, como o caso de um livro que é muito trabalhado que é o
“Cavaleiro da Dinamarca”, da Sofia Mello Breyner, por onde o cavaleiro
passa, pelos vários sítios, em que na língua portuguesa faz milagres.
Eles trabalham os textos, trabalham as áreas inclusive no 1º Ciclo, já
vi trabalhar no 1º Ciclo, lido e eles à medida que vão lendo,
inclusive no primeiro ano do 1º ciclo, em que a professora vai lendo e
eles vão desenhando o caminho do cavaleiro. Portanto, isto é
importante, este tipo de actividades, onde o professor não precisa de
seguir à risca o programa, pode dar muito bem a volta ao programa,
porque o programa dá-se lhe a volta.

12. Qual é a sua opinião em relação aos conteúdos dos manuais?

Na antiga Lei de Bases do Sistema Educativo, os programas, os manuais
tinham que estar ligados com as características e os ritmos dos alunos
daquela escola. O problema é que quem faz os manuais são editoras,
neste momento, naquela altura em 96, os manuais eram feitas para
meninos da classe normal média lusa e o resto não interessava. Neste
momento, nós já temos alguns manuais, por exemplo, a Associação de
Professores de Português têm manuais multiculturais já, essa
professora que eu falei, a Lúcia Soares, publicou um manual de Língua
Portuguesa e Expressões para alunos do 1º Ciclo, também a nível
multicultural, o secretariado tem três grandes volumes em que tem
propostas de estratégias, tipo manual, propostas de estratégias
multiculturais até ao 3º Ciclo nas várias áreas desde do primeiro até
ao terceiro e inclusive saiu à pouco tempo, foi a última coisa que foi
feita antes do Secretariado ser passado para o ACIME, materiais para o
Pré-Escolar. Portanto, há imensos materiais para o Pré-Escolar no
Secretariado, por exemplo os puzzles, manual de actividades, dominó.
Estes materiais podem ser encontrados nas escolas de intervenção
prioritária, consideradas escolas multiculturais têm estes materiais
todos. Os centros comunitários principalmente dos bairros utilizam
esses materiais também.

12. Qual é a sua opinião sobre o crescente aumento do abandono
escolar?

Nós professores tivemos muita culpa do abandono escolar porque
começámos a centrar tudo nos conteúdos e começámos a centrar tudo nos
exames. Só espero que vocês educadoras de infância com as Orientações
Curriculares façam delas o equilíbrio entre a orientação curricular e
a socialização. Eu acho que é o papel fundamental do educador de
infância é a socialização e saber gerir as duas coisas.

As crianças começam a odiar a escola porque alguns professores só
trabalham matemática e português para as provas e afrição, isto já no
1º Ciclo. É só ler aquilo, fazer exercícios como fazem os outros do
2º, 3º Ciclo e Secundário. Depois o abandono em vez de começar no 7º
ano e 8º ano começa no 4º ano. As provas de afrição servem para aferir
o sistema, ver o que se deve alterar no sistema, se há alguma coisa
que não está bem ou precisa de mudar. Mas os professores acharam que
eram avaliados por ali, meteram aquilo na cabeça e, então, alguns nem
todos, porque acham que um bom professor é avaliado por um exame que o
aluno faz quando aquilo que tinha por objectivo e tem por objectivo é
aferir o sistema tal e qual como um exame de12º ano. O exame de 12º
ano é um exame de entrada para a faculdade, porque é, mas também serve
para aferir o sistema e os professores começaram a acreditar, por isso
é que eu tenho horrores aos exames e estou com muito receio nos exames
de português e matemática no 9º ano, porque lá vão… os exames são
feitos para aferir o sistema, mas os senhores professores nas escolas
mentalizaram-se que aquilo era para aferir os professores. Depois não
interessa se as crianças sabem as coisas… não interessa, têm que saber
e acabou e o abandono cada vez é maior, por isso é que a nova Lei de
Bases para a Educação que está a ser discutida na Assembleia da
República tem uma componente agora que é componente profissional e os
miúdos começarem no 7º ano a verem o que querem, pelo menos para ver
se evita alguma situação de abandono.

13. Este abandono é caracterizado por que tipo de população? Pelas
minorias étnicas?

Não, é totalidade. É no global, o abandono é no global, porque é
normal os miúdos não gostarem da escola neste momento. O abandono é
normal entre elas, não é 40% é muito grave e tem vindo a aumentar de
ano para ano. Por isso, é que realmente se tenta fazer via
profissional, os miúdos poderem escolher determinado tipo de vias
profissionais ou escolherem várias áreas ocupacionais já no 7º ano, já
não é só aquilo que existe que é Educação Tecnológica e uma língua,
apesar da reforma de 86 estar muito bem feita e tivemos a sorte de ter
uma boa reforma, agora temos é que a ajustar, não a temos que alterar
toda e, por exemplo, pessoas quando surgiu a reorganização curricular
acharam que aquilo era uma reforma, mas não era reforma de nada,
aquilo era ajustamentos a algumas coisas que realmente, depois da
avaliação, porque nós em Portugal não temos a mania da avaliação, mas
houve ali qualquer coisa e viu-se realmente que era preciso fazer
reajustes, porque a avaliação são assim coisas muito estranhas,
avaliar em Portugal as escolas é uma coisa que ainda não temos a
cultura da avaliação. Por exemplo, estando no agrupamento vertical
vêem guerras, professores de 1º, 2º e 3º Ciclo, que é uma coisa
incrível, porque eu dou melhor as aulas do que tu… o 3º Ciclo manda a
culpa para o 2º Ciclo, o 2º Ciclo para o 1º Ciclo e eu uma vez estava
tão zangada que disse mandem para o Pré-Escolar e o Pré-Escolar manda
para a barriga da mãe. Quando eles vêem um problema não o resolvem, é
mandar para cima dos outros a culpa e isso é típico dos professores,
porque é difícil os professores assumirem os erros. Como diz o Roberto
Carneiro, nos estamos atrasados 20 décadas, o problema é que realmente
a nossa educação não mudou a nível de mentalidades. É difícil aceitar,
para um professor mesmo, um professor pedir desculpa, porque é rude ou
diz para um aluno para se calar quando não era ele que estava a falar
mas sim outro e o professor não tem a coragem de pedir desculpa,
apesar de se aperceber que era o outro que realmente estava a falar,
não tem coragem de dizer desculpa. Há a imagem que o professor é
perfeito, o professor não é perfeito, é tão imperfeito como outra
pessoa qualquer. Nós não temos a cultura de trabalho em equipa e eu
costumo dizer que nós não temos a cultura do trabalho em equipa, não
temos a cultura de pedir desculpa, temos a cultura de pedir perdão
quando quem perdoa é Jesus Cristo e Deus. Pedimos perdão por pecados
que cometemos a nós próprios, mas não sabemos pedir desculpa ao outro
que está ferido e, às vezes, os professores não vêem, porque os miúdos
têm um sentido de justiça muito apurado e quando são injustiçados
reagem muito mal.

14. É necessário ter algum tipo de perfil para ser um professor
multicultural?

eu continuo a dizer que quem não tem perfil para trabalhar, agora já
não digo tanto isso, quando foi a discussão de uma parte da tese já
não disse tanto isso, já me calei um bocado, mas quando foi a tese de
discussão de mestrado no 1º ciclo, eu disse que tem que haver um
perfil do professor multicultural que é aquilo que a Luísa Cortesão
também defendia no primeiro projecto que houve no Porto, agora já não
podemos dizer isso porque todas as escolas são cada vez mais
multiculturais. Quer dizer, tem que haver um perfil do professor
multicultural no geral, do educador multicultural, porque as escolas
são multiculturais e sempre foram, mas agora são cada vez mais. Não me
venham dizer que aquela escola não tem meninos negros, agora já nem
existe isso, mas havia uma altura que só achavam que a Associação só
tinha sentido em determinadas escolas, porque tinha meninos negros e
meninos ciganos e meninos com dificuldades. O problema é que eles são
multicultural e qualquer uma de vocês é, eu sou de origem alentejana,
portanto a multiculturalidade está cá, outras são de outra origem.
Portanto, ela está em todo o sítio, está na sociedade e finalmente
parece que as pessoas começaram a perceber isso, porque as coisas
começaram a tocar-lhes na mão, começaram a sentir a dor.

15. Os órgãos administrativos demonstram interesse pelas questões
da multiculturalidade?

Sim, quando os órgãos administrativos têm formação na área e vão para,
ou seja, neste caso os agrupamentos verticais, que neste momento tem
uma presidente, dois vice-presidentes e dois acessores e quando vai do
Pré-Escolar até ao 9º ano é um de cada nível. Normalmente, eles quando
são eleitos estão despertos para essa realidade, nos agrupamentos isso
tem acontecido, naqueles que eu conheço tem havido uma preocupação a
esse nível. O pior a nível da gestão penso que se encontra no
Secundário, o Secundário só quando os meninos andarem de faca e de
alguidar na mão é que começam a sentir… espera aí, temos que começar a
mudar a escola, já há casos de Secundários com problemas graves e que
nunca tiveram.
Return to 123HelpMe.com